Raça Pug: conheça a história e origem desse cãozinho apaixonante

Ainda que cães “vira-latas” sejam incríveis — e, claro, uma grande mistura das melhores características das raças caninas — e que adotar seja tudo de bom, é inegável que, algumas vezes, um cão de determinada raça atende melhor às necessidades da família e é mais indicado para viver em um lar específico.

Pensando nisso, hoje falaremos sobre a raça pug, um cãozinho adorável, cheio de personalidade e repleto de amor para dar para os seus tutores! Assim, você poderá decidir se essa é ou não a melhor raça do novo membro de sua família.

Ao longo de nossa conversa, descobriremos um pouco sobre a origem do cachorro pug e ficaremos por dentro de suas características mais marcantes. Tudo pronto para conhecer esse adorável cãozinho? Então, boa leitura!

Qual é a origem da raça pug?

Simpático e com uma carinha fofa, o pug é um cãozinho originário da China, algo descoberto a partir de evidências arqueológicas encontradas naquele local. No entanto, a sua popularidade se deu no Reino Unido e em outros países europeus, quando passou a ser criado por membros das realezas do século XIX.

Quais são as características desse animal?

O pug é um cãozinho de cara achatada (braquicefálico) e com o rabo enrolado. Ele é de pequeno a médio porte (pesando entre 6 e 8 kg, ainda que alguns possam chegar aos 12 kg) e de pelagem curta. As cores dos pugs variam entre tons de preto, branco e cinzento.

Seu comportamento é muito dócil e carinhoso, com um temperamento bastante tranquilo. Não é um cão que costuma latir excessivamente e, além disso, eles costumam ser muito sociáveis e brincalhões. Sendo assim, é um cão de companhia de excelência, indicado para aqueles que desejam ter um grande amigo ao seu lado.

Para que perfil de tutor esse pet é mais indicado?

Já que estamos falando sobre a indicação dessa raça, é interessante falarmos sobre o perfil adequado de tutores para os pugs. Eles são cães que não exigem muito exercício (ainda que passeios não possam ser deixados de lado!), adoram brincadeiras e são simples de cuidar.

Por isso, são muito indicados para:

• pessoas que moram em apartamentos;
• casas com crianças e idosos;
• indivíduos com uma rotina corrida;
• pessoas com pouco espaço em casa;
• famílias que recebem muitas visitas;
• pessoas que já têm outros animais em casa.

Quais são os cuidados necessários com o pug?

Apesar de ser um cãozinho fofo, simpático e que exige poucos cuidados para estar sempre feliz, alguns pontos devem estar sempre na mente de seus tutores.

Cuidado com a alimentação

Por serem baixinhos e pequenos, os pugs têm uma certa tendência a engordar. Oferecer uma ração de qualidade a esse animal e realizar brincadeiras e passeios esporádicos é algo essencial para evitar a obesidade.

Atenção à respiração

Ao fazer exercícios, é importante que eles sejam feitos de maneira lenta e cuidadosa. Os cães braquicefálicos têm uma tendência maior a sofrerem com problemas respiratórios devido às particularidades de sua anatomia.

Fique atento aos olhos

Os olhos do pug também são bem característicos. Se você notar, eles são um tanto quanto “saltados” para fora, o que deixa a região mais predisposta à ação de patógenos como bactérias, além, é claro, de machucados e lesões variadas.

Gostou de conhecer mais sobre a raça pug e suas particularidades? Com essas informações, fica muito mais fácil decidir se essa é ou não a melhor opção de cão para a sua família! Pesquise bastante antes de adquirir qualquer tipo de cachorro, já que raças específicas demandam cuidados e muita responsabilidade de seus tutores.

Já se decidiu? Então, confira o nosso post sobre atividades bacanas para fazer com o seu novo amigo em períodos de quarentena ou em qualquer momento que vocês passarem juntos!