Raiva em gatos – Sintomas e prevenção

Embora seja praticamente erradicada nos dias de hoje, a raiva em gatos é uma doença extremamente perigosa e fatal para os felinos contaminados. Provocando uma série de sinais característicos e prejudiciais aos animais acometidos, a doença pode levar um gato infectado ao óbito em poucos dias; sendo que, mesmo quando tratada, tem um índice de mortalidade de 100%.

Bastante contagiosa, a raiva em gatos é transmitida por meio do contato direto entre um felino sadio e outro doente, sendo que a saliva do animal contaminado é a principal fonte da infecção. Dito isso, é fácil concluir que as mordidas são o principal meio de transmissão da doença; sendo que machucados por arranhões e feridas abertas também podem aumentar bastante as chances de contaminação, quando há contato com a mucosa de um animal infectado (por lambidas, por exemplo).

Sintomas

No início, a raiva felina é assintomática e essa fase pode durar meses. Logo depois, o gato começa a ficar muito inquieto. Além disso, ele fica também muito cansado e vomita com frequência. A fase mais característica vem logo em seguida. Ele fica muito irritável e com mudanças bruscas no comportamento (é dessa fase que vem o nome da doença). Nessa situação ele fica muito propenso a atacar ou morder. Depois disso, acontece uma paralisia geral no corpo do felino e ele entra em coma e em seguida vem ao óbito.

Miados anormais, febre, perda de apetite, excesso de saliva, aversão a água são outros sintomas que podem ser observados durante todo o período de avanço da doença.

Prevenção e Tratamento

A raiva é uma doença que não tem cura e, portanto, a única maneira de proteger os felinos desse mal é por meio da vacina antirrábica – que pode ser administrada aos bichanos com idade a partir de 2 meses, e deve ser renovada anualmente. Além disso, evitar que seu gatinho doméstico tenha contato com gatos de rua ou desconhecidos também é uma boa opção para preveni-lo desta e de outras doenças.

Vale lembrar que, embora seja fatal para os animais, a raiva pode ser tratada em seres humanos. Portanto, ao identificar a doença no seu pet, é muito importante que ele seja levado a um profissional veterinário, para que o controle da propagação do problema seja feito e outras pessoas e animais não sejam contaminados.

Fonte: CachorroGato