Guia prático: 5 cuidados essenciais para ter com gatos filhotes

Você também se entregou aos encantos dos felinos e está se preparando para receber um peludo em casa? Que ótima notícia! Esteja pronto para preencher os seus dias com graça e delicadeza; mas, também, comece a se acostumar com as peraltices e atente para os cuidados com os gatos filhotes.

Isso porque até os 4 meses de idade eles são sensíveis às mudanças do ambiente, além de passarem por alterações fisiológicas importantes, que não devem ser negligenciadas. Para que eles possam se adaptar com maior facilidade e menor estresse à sua nova casa, é essencial providenciarmos algumas coisinhas e termos em mente algumas ações que os mantêm seguros e saudáveis.

Pensando nisso, elaboramos este guia prático para você! Aqui você encontra o básico a respeitos dos cuidados com gatos filhotes e muitas dicas valiosas. Aproveite!

1. Instale telas de segurança nas janelas

Mesmo que você pense que, agora, o gatinho é muito pequeno e não alcança as janelas da sua casa, providencie a instalação de telas de segurança em todas as aberturas, principalmente se você mora em apartamento. Jamais subestime os instintos e a curiosidade dos felinos — quando você menos esperar, verá um par de orelhas à espreita nas alturas.

Gatos amam lugares altos, pois se sentem protegidos, além de sentirem que têm o controle de todo o ambiente visto de cima. Ou seja, eles vão subir nas janelas e nos parapeitos quando tiverem a oportunidade. Então, você não precisa privar o seu gatinho desse prazer, desde que você garanta a sua segurança.

Por mais habilidosos que eles sejam, nenhum animal está livre de cometer pequenos erros de cálculo — e falhar miseravelmente no salto. Ainda, um pequeno desequilíbrio pode ser desastroso para o gato, dependendo da altura que ele cair. Você não quer expor a sua preciosidade a esse risco, não é mesmo?

2. Proceda à vacinação e à vermifugação

Tutelar um gato significa cuidar da sua saúde e do seu bem-estar. Para isso, é primordial que você leve o filhote ao veterinário, tão logo você tenha contato com o bichano. Isso porque o profissional fará uma avaliação completa no peludo e poderá orientar você sobre o calendário de vacinação, bem como sobre os vermífugos.

De forma geral, atente para os seguintes cuidados:

vacinas — 1ª dose de polivalente (V4 ou V5) aos 60 dias de idade, 2ª dose aos 90 e 3ª dose aos 120 dias. A antirrábica é administrada 1 semana depois da 3ª dose da vacina polivalente;
vermífugos — primeiras doses aos 15, 30 e 45 dias de idade. Dê os vermífugos sempre de acordo com o peso do filhote e, caso tenha dúvidas, procure o veterinário.

As vacinas os protegem de múltiplas doenças infecciosas (potencialmente fatais), e os vermífugos os mantêm livres de vermes que debilitam a saúde geral dos bichanos e de ectoparasitas transmissores de enfermidades. Então, não descuide disso!

3. Cuide da alimentação do filhote

Um dos maiores sinais de amor que você pode demonstrar pelo seu gato é o cuidado com a alimentação dele. Isso porque é por meio do alimento que ele receberá todos os nutrientes necessários para manter e promover a sua saúde.

Com os filhotes, os cuidados devem ser voltados a uma alimentação adequada para a fase pela qual atravessam, pois é um período de mudanças fisiológicas e metabolismo acelerado. Assim, eles precisam de nutrientes específicos, na quantidade certa, para se desenvolverem e crescerem com plenitude.

As rações úmidas, por exemplo, podem ser uma excelente dieta de transição do leite materno para a ração seca. Contudo, você pode mantê-las por toda a vida do bichano, já que são alimentos ricos em proteína e contêm uma boa dose de água.

Aliás, dica: tenha uma fonte de água só para o gatinho para estimulá-lo a beber com mais frequência, já que eles preferem água corrente. Quando for escolher a ração seca, procure pelos produtos de filhotes, pois os grãos são do tamanho e da maciez perfeitos para eles.

4. Atente para os rituais de higiene

Gatos são higiênicos por natureza. O seu asseio é amplamente conhecido, sendo que eles dedicam horas do seu dia para se lamberem. Lembre-se de que o período mais sensível para a socialização dos felinos ocorre entre a segunda e a sétima semana de vida, isto é, durante esse intervalo, eles aprendem determinados comportamentos com mais facilidade.

Isso significa que você deve aproveitar esse tempo para ensinar ou introduzir qualquer hábito no bichano, por exemplo, a escovação e o corte das unhas. Dedique-se a escová-lo, pelo menos, uma vez por semana — é um ritual prazeroso para ele, mas o filhote precisa se acostumar. A escovação os livra do excesso de pelos e sujeira, além de ser um momento de estreitar laços.

Outro hábito bastante conhecido dos gatos é que eles enterram as suas necessidades. Então, providencie a sua caixinha de areia. É muito provável que você não precise ensinar nada para ele, basta indicar o local onde a caixinha ficará (longe dos comedouros, hein?!).

O ideal é ter sempre uma caixa com areia sanitária para cada gato que você tem em casa mais uma. Isto é, se você tem dois bichanos, providencie três caixinhas. Limpe-as pelo menos duas vezes por dia e, de tempos em tempos, troque toda a areia — ou o seu gato vai chamar você para uma conversa séria, fazendo cocô fora da caixa.

5. Agende a castração do gatinho

Ao contrário do que muita gente pensa, a castração também é um ato de amor. Além de fazer parte dos critérios-chave para uma tutoria responsável, o procedimento reduz os riscos de os bichanos desenvolverem doenças, como infecções e cânceres. O período do cio é estressante, pois eles vão às ruas em procura de parceiros e, nesses contatos, se aumenta a chance de contraírem FIV e FELV.

Caso o seu gatinho tenha acesso à rua e for um macho, a castração diminui a vontade de escapar, evita que ele brigue com outros gatos e volte todo lanhado para casa e, também, que ele demarque o território (no caso, a sua casa) com xixi. Se for uma fêmea, evitará que ela emprenhe, claro, e que você tenha que lidar com a ninhada.

Geralmente, a castração é recomendada entre os 6 os 8 meses de idade, embora possa ser realizada com segurança antes disso. Como a idade ideal pode variar de acordo com o desenvolvimento do corpo de cada gato, é fundamental que você converse com o veterinário antes de agendar o procedimento.

Muito bem, agora você já sabe dos principais cuidados com gatos filhotes! Lembre-se de que você terá muitos desses carinhos por toda a vida do bichano, já que eles promovem a saúde e o bem-estar dos peludos. No mais, aproveite essa deliciosa fase de descobertas e brinque muito com o seu novo companheiro!

Gostou das nossas dicas? Então, siga nosso perfil nas redes sociais e não perca mais nenhuma de nossas atualizações! Estamos no Facebook, no Instagram e no YouTube também!