6 dicas para uma boa convivência entre cães e gatos

Considerados como os melhores amigos do homem, cães e gatos são os animais domésticos mais populares. Porém, a história de que esses bichinhos são arquirrivais é antiga e cultivada até os dias de hoje, o que leva muitas pessoas a preferirem ter apenas um dos dois, a fim de evitar possíveis conflitos em casa.

Um tutor de primeira viagem sempre terá tais preocupações em sua cabeça, às vezes com razão, porque esses dois animais podem competir por atenção, território, alimentos e outros. Mas essa condição de inimigos não é uma obrigatoriedade, pois conseguem, sim, viver em harmonia. Com carinho, dedicação e as ações corretas, eles se tornarão ótimos amigos.

Por conta dessa possibilidade de harmonia ser real, ela atrai a atenção daqueles que sentem uma paixão enorme pelos dois pets. Mas nem sempre as pessoas sabem lidar com a situação. Para ajudar a vencer o desafio, preparamos algumas dicas para manter uma boa convivência entre cães e gatos e você aproveitar a companhia dos seus amigos. Acompanhe!

O mito da inimizade entre cães e gatos

Antes de falarmos sobre as dicas, de fato, para você tornar a convivência entre cães e gatos pacífica e harmoniosa, é interessante esclarecermos alguns aspectos sobre esse assunto. Essas informações ajudarão a entender melhor o universo desses dois animais, para que consiga adotar uma abordagem ainda mais certeira.

De início, precisamos desmistificar a ideia de inimizade. É extremamente natural ter em mente a imagem de que cães e gatos são inimigos, um pensamento que se propaga e abrange a todos os caninos e felinos. Mas não é assim que as coisas funcionam realmente.

Como qualquer animal, esses dois têm os seus instintos que, em casos específicos, podem aparecer e se mostrar como uma forma de ameaça para o outro. Porém, isso é involuntário e sem a intenção de ferir, mas esse pequeno deslize comportamental pode fazer com que ambos sintam uma aversão sem volta.

Como dissemos no início, os animais podem competir por território e alimento. Também apresentam uma tendência natural para se defenderem e, por estarem na companhia de um humano, tendem, ainda, a competir pela atenção e o carinho do seu tutor.

Sendo assim, o ideal é que sejam trabalhadas as primeiras impressões que um tem do outro, para que a interação entre eles possa ser pacífica. O importante é cães e gatos não se sentirem ameaçados e compreenderem que cada qual tem o seu espaço, sem a necessidade de disputas.

Tenha em mente que as competições fazem parte do meio natural e ocorrem tanto entre animais como entre plantas. Até mesmo irmãos humanos disputam entre si. Por isso, cães e gatos não são inimigos natos, o problema é esse sentimento de ameaça que se intensifica quando são colocados em um espaço comum, como nossas casas.

Convivência de cães e gatos

Para que uma boa convivência ocorra eficientemente, o tutor deve começar seus cuidados logo na primeira interação. Ambos os animais são muito territorialistas, ou seja, o pet que estiver há mais tempo agirá como se tanto a sua casa quanto você, o dono, pertencessem a ele. Assim um novo morador pode parecer uma ameaça.

Um precisa entender que o outro não fará mal. Assim, aos poucos, terão uma aproximação lenta, mas eficaz. Uma dica importante para você que pensa em adotar um novo amigo é trazer um filhote para casa, pois, por conta do instinto, os animais costumam se adaptar melhor aos pequenos, tornando todo o processo mais simples.

Vale ressaltar que a necessidade de haver uma aproximação gradativa não é exclusiva para cães e gatos. Esse pensamento apenas evidencia ainda mais a rivalidade inexistente porque, na verdade, o estranhamento com um membro novo e na recepção também acontece entre animais da mesma espécie.

A importância do ambiente

O ambiente em que cães e gatos possivelmente vão interagir deve parecer o menos hostil possível, pois, acima de tudo, a segurança deve ser estabelecida como uma realidade para os dois. Assim que ambos se sentirem confortáveis e seguros, a relação pode continuar.

Para essa segurança, é importante tomar cuidado com qual área da sua casa será destinada aos detalhes e necessidades de cada um, como em que lugar ficará a casinha ou caminha deles e os potes de ração e água.

Aspectos relacionados ao sono e alimentação podem deixar os animais agressivos, até, com a pessoa que cuida deles. Sendo assim, é importante manter uma distância entre os pertences de cada um, pelo menos enquanto a convivência não for totalmente segura.

Diferenças básicas entre cães e gatos

Lealdade e companheirismo são características que cães e gatos têm em comum, e é por isso que são excelentes parceiros do ser humano. Apesar disso, eles são mais diferentes do que semelhantes e, baseando-se nessas distinções, você pode assumir melhor o centro da convivência.

Comece por seus temperamentos. Os cachorros, em geral, são mais “alegres” e brincalhões, e isso é fácil de se perceber graças à sua constante agitação e ânimo para realizar ações. Já os gatos são animais reservados e preferem passar seu tempo descansando ou caçando algum bicho ou inseto.

Isso nos leva ao tempo gasto durante o dia. Os gatos são animais que passam a maior parte do dia dormindo, geralmente acordando em pequenos intervalos, e sua maior área de atividade é durante a noite. Já os cachorros são mais diurnos, quase não tendo disposição à noite, mesmo que também adorem longas horas de sono enquanto ainda há luz solar.

Ensinando seus pets a conviver

Como dito, os ensinamentos começam no primeiro encontro. A partir desse momento, o ideal é, periodicamente, aproximar os animais e observar seus comportamentos juntos durante um certo período. Fazendo isso, pelo menos, uma vez por dia, eles começarão a se conhecer melhor e, quem sabe, interagir entre si.

Você viu nas explicações sobre a diferença entre esses animais que eles apresentam comportamentos muito distintos, em alguns momentos, até mesmo, opostos. Portanto, o ideal é educar ambos para que consigam respeitar o espaço um do outro, bem como as suas particularidades.

A convivência entre eles também depende muito da sua própria postura e das atitudes que toma, porque não podemos exigir que os cães e gatos se comportem da mesma forma. Além disso, não é conveniente estimular brincadeiras mais brutas, que possam levar à agressividade.

6 dicas para a convivência de cães e gatos

Agora chegamos ao ponto mais esperado, que são as dicas para favorecer a convivência entre cães e gatos. Veja a seguir de que maneira manter esses dois animais adoráveis juntos no mesmo espaço e convivendo como bons amigos!

1. Acostume os pets com a presença um do outro

Em nossa primeira dica, vamos ressaltar a importância de você acostumar o cão e o gato com a presença um do outro. Algumas pessoas podem acreditar que podemos simplesmente chegar com o novo animal, inserir no espaço daquele que já tínhamos e deixar que eles “se virem”, mas essa não é uma atitude saudável para ninguém.

Você pode tentar essa primeira aproximação com muita calma e tranquilidade, apresentando de forma direta um para o outro. Se eles demonstrarem passividade, pode continuar dessa forma; do contrário, prefira manter cada um em um espaço para que se conheçam, acostumem-se com o cheiro do outro e a presença, para perceberem que não há ameaças.

Pode ser mais fácil manter uma boa convivência quando os dois animais são adquiridos juntos, mas, se você já tiver um deles, tente não impor uma situação desagradável para os dois. Prefira o processo mais lento, sem gerar estresse para você mesmo e, principalmente, para os seus animais, sem causar problemas de comportamento.

2. Crie uma convivência pacífica

Como tutor, você deve evitar que os instintos territorialistas se sobressaiam. Para isso, o respeito às diferenças entre eles deve imperar, e você precisa ser um moderador da interação, estimulando comportamentos saudáveis para ambos.

Na hora de realizar atividades com o pet, por exemplo, incentive brincadeiras inofensivas. Evite aquelas muito brutas, como já sugerimos. Também não estimule os animais a se provocarem e faça cada um respeitar o momento de descanso do outro e da alimentação.

3. Mantenha espaços bem definidos

A delimitação de espaços será fundamental para que seus animais possam definir um território e conviver em harmonia nos espaços comuns. Os cães que ficam sozinhos, por exemplo, não estão habituados com ninguém transitando por entre os seus pertences, e você não pode querer que ele se acostume com isso de uma hora para outra.

Com o passar do tempo pode acontecer uma tolerância, mas, ainda assim, procure reservar um espaço separado para o cão e o gato, sem misturar as vasilhas de comida, os brinquedos e outros itens que pertençam a cada um.

4. Use o reforço positivo

Punir ou castigar não é a melhor forma de estimular a boa convivência. O ideal é trabalhar o reforço positivo para que vejam que suas atitudes pacíficas são recompensadas. É uma forma de fazer o adestramento de cães e gatos, incentivando uma postura amigável.

Sempre que eles brincarem juntos e demonstrarem tolerância, ofereça petiscos, elogie ou faça carinho. Os animais são inteligentes e vão entender que aquilo que fizeram agradou você e vão repetir esse comportamento para ter atenção e prêmio mais uma vez.

5. Separe os brinquedos de cada pet

Da mesma forma como você precisa escolher o tipo de ração certa para cada um dos animais, sem deixar que comam a comida do outro, é preciso separar os brinquedos. Afinal, cães e gatos têm um sentimento de posse sobre esses objetos, o que pode gerar situações negativas caso tenham que compartilhar com seu colega.

Cada um precisa ter os seus próprios pertences, e o ideal é que você não obrigue nenhum deles a compartilhar caso não demonstre interesse nisso. Afinal, o pet se sentirá ameaçado, com tendência para repulsa àquele que está invadindo o seu espaço. Alguns animais podem reagir com tristeza e depressão, afetando sua qualidade de vida.

6. Faça passeios juntos

Os passeios são uma excelente alternativa para você promover momentos agradáveis entre cães e gatos, desfrutando da companhia um do outro. Assim, passarão a compartilhar essa experiência positiva e podem se ver como amigos nas horas de lazer.

Entretanto, não se esqueça de que, nesse momento de pandemia, é fundamental uma atenção redobrada com a higiene dos pets depois de passear. Embora ainda não haja evidências de que eles contraiam a Covid-19, podem trazer o vírus para dentro de casa.

Então, depois de voltar da rua, é fundamental higienizar as patas dos animais lavando com sabão apropriado e secando muito bem. Caso tenham usado sapatinhos, retire-os antes de entrar em casa e lave para que estejam limpos para o próximo passeio.

Alimentação e higiene de cada pet

Apesar de você tentar uma aproximação para melhorar seu relacionamento, a convivência também é composta por algumas limitações que deverão ser respeitadas. O ideal é que tanto a alimentação de cães e gatos quanto sua higienização sejam feitas separadamente.

Animais de estimação, em geral, com destaque para os gatos, podem ter reações exageradas ao praticarem sua higiene, sendo comum atacarem o que veem por perto. Esses ataques prejudicaram diretamente a relação, podendo estragar todo o avanço feito até o momento.

Sendo assim, conforme já instruímos, mantenha as vasilhas distantes, não permita que um animal coma a ração do outro e, na hora de dar o banho e adotar outros cuidados, prefira fazer de forma individualizada para dar a atenção correta a cada um.

Não se esqueça, também, da atenção com as fezes de cães e gatos, porque cada um faz as suas necessidades em lugares diferentes. O adestramento para filhotes de cachorro envolve estimular o uso do jornal ou tapetes higiênicos, enquanto o gato precisa apenas de uma bacia com areia.

Mantendo a boa convivência

Mesmo depois de os seus animais se acostumarem um com o outro, lembre-se de que os cuidados com os pets deverão permanecer para garantir a continuidade dessa boa convivência e evitar possíveis deslizes de comportamento.

O ideal é continuar o reforço positivo, incentivar o comportamento amigável e, quando necessário, controlar a situação utilizando comandos ou sons que vão inibir possíveis brigas e desentendimentos. Afinal, eles podem surgir por causa de algum mal entendido, sendo uma situação natural mesmo entre bons amigos.

Em momentos como o atual, pode haver complicações para tais ensinamentos, pois durante a quarentena os animais precisam ficar dentro de casa por um tempo maior, o que também gera estresse para eles e pode levar a momentos de tensão ou dificuldade de adaptação.

Uma boa alternativa é preparar um cômodo da casa para servir como área de lazer para os pets. Ali eles poderão realizar atividades, brincadeiras, interagir com você e entre si para aliviar um pouco a tensão gerada pelo isolamento. Aproveite as áreas mais altas para o gato, que gosta de subir e escalar, mantendo o solo para o cachorro, que prefere correr.

Não se esqueça de que na convivência entre cães e gatos deve haver limites, respeito e atenção igualmente. Não demonstre preferências e sempre incentive a amizade. Com carinho e uma postura de autoridade, você conseguirá fazer com que eles se tornem grandes amigos, dividindo o mesmo espaço na casa, em sua vida e no seu coração.

Gostou das dicas? Então, acompanhe outros conteúdos interessantes como esse aqui no nosso blog.